segunda-feira, dezembro 06, 2010

Um poema a cada segunda-feira (III)




Decidi-me por uma rubrica de poesia à segunda-feira, enquanto assim se mantiver este meu ânimo.


Irei aqui colocando poemas que o critério do momento vier a ditar.




  • DA PEQUENA MORTE

    Alimento a tua pele silenciosa
    enquanto renovas a paz do meu sangue
    a febre o sismo a transparente crueldade
    onde naufragamos onde agora
    o pão e o sol e o canto inventamos

    A noite convoca o arco distendido
    a ponte reconstruída
    dos corpos amantes

    Alimento com minhas armas vagarosas
    a luz que nos une até aos ossos até
    ao núcleo em que terra e fogo desfazem
    no corpo a pequena imitação da morte
Casimiro de Brito
69 Poemas de Amor
4Águas Editora, Tavira 2008

Siga-me no twitter
e/ou
Divulgue esta página no

2 comentários:

hfm disse...

Excepto quando não tiver pc ao pé de mim 2ª f. é dia de visita obrigatória.

António Baeta disse...

Serás sempre bem acolhida e por isso te estou reconhecido, Helena.