segunda-feira, agosto 30, 2010

Postais com poemas (XVIII)


A IV Bienal de Poesia de Silves editou uma coleção de postais, divulgando poemas de cada um dos convidados.

Aqui os trago, paulatinamente, a cada segunda-feira.


IV Bienal de Poesia de Silves, postais



  • As palavras inventam a luz e o corpo.
    São grandes e exactas.
    Por isso as defino rigorosamente. (...)

Maria do Sameiro Barroso

quinta-feira, agosto 26, 2010

Vida de pombo



É quando do último olhar do sol que me recolho aos lugares elevados, aos telhados e aí repouso, recuperando forças para mais um dia de labuta: na demarcação do território, na busca de alimento, nos rituais de acasalamento e, só quando a época chegar, no fugaz prazer dos atos de procriação.

Os poetas é que usam os voos do meu dia-a-dia como metáfora para os seus sonhos de liberdade.

O dia-a-dia do pombo é feito de repetição e instinto.

Sigo os sinais do sol e a vastidão do céu e da terra.

segunda-feira, agosto 23, 2010

Postais com poemas (XVII)


A IV Bienal de Poesia de Silves editou uma coleção de postais, divulgando poemas de cada um dos convidados.

Aqui os trago, paulatinamente, a cada segunda-feira.

IV Bienal de Poesia de Silves, postais

  • escrevo para não morrer a luz de março
    para ouvir o canto ázimo
    numa promessa ausente
    despida de fé (...)

sexta-feira, agosto 20, 2010

Imagens de Mar



Imagens de Mar é o título da exposição que a Associação 1/4 Escuro vai hoje inaugurar no Centro Cultural António Aleixo, em Vila Real de Santo António.

Simpatizante desta associação, há alguns anos que costumo participar nos seus encontros e sempre que me convidam e tenho oportunidade faço por enviar algumas fotos.

Foi o que aconteceu agora.

Além de mim, estarão representados mais dois silvenses.

Fica a sugestão para uma visita.

quarta-feira, agosto 18, 2010

Feira Medieval de Silves - 2010 (IV)


Terminou a Feira Medieval de Silves.

Sé de Silves, Verão 2010
O seu enquadramento numa cidade monumental, com edifícios medievais como o Castelo ou a Sé (na fotografia), conferem a esta feira, só por si, uma razão válida para uma visita e fazem dela, inelutavelmente, uma feira diferente de todas outras que por aqui e por ali pululam por este país fora, numa moda que tenderá inevitavelmente a definhar.

Em anos anteriores tenho deixado aqui o meu parecer crítico e satisfaz-me ver como a feira vem melhorando no que se refere ao cuidado posto nos pormenores de identificação local, com recurso a episódios da história da cidade.
Já não me satisfazem as encenações desses episódios, muito más por sinal, que deveriam ser entregues a verdadeiros encenadores de teatro e a atores profissionais, ganhando um carácter mais cultural e distinto das restantes animações. A cada profissional a sua competência.

Feira Medieval de Silves, Verão 2010
Feira Medieval de Silves, Verão 2010No que respeita à animação, também me pareceu sentir uma certa quebra de qualidade, e por isso mesmo quero distinguir um agrupamento em particular que se impôs pela diferença - os La Tropa Tornals - de que a senhora na foto é personagem integrante.


Uma palavra ainda para a ausência de participação local (exceção feita a Percutunes), o que é revelador de um tecido social sem iniciativa e que deveria merecer a atenção de responsáveis pela política local.


De entre os pareceres críticos que em anos anteriores mereceram a minha atenção, está o que se relaciona com o cuidado a ter com as multidões que por esta época invadem o centro histórico.
Se a Sé se preserva, como local de culto, e o castelo tem estado encerrado para obras nestes últimos anos, convém um alerta especial para a utilização do castelo no próximo ano.
Defenda-se a degradação da alcáçova, com espetáculos para lotações aceitáveis, eventualmente de qualidade superior e sujeitos a entrada paga (não se procede assim com os torneios de armas a cavalo?) e lembro que há companhias profissionais de teatro na região, que muito gratas ficariam com um convite para a encenação de uma peça sobre um episódio da história local, a ser representado no castelo ao longo do período em que decorre a feira.


Terminou a Feira. Que viva a Feira!

segunda-feira, agosto 16, 2010

Postais com poemas (XVI)


A IV Bienal de Poesia de Silves editou uma coleção de postais, divulgando poemas de cada um dos convidados.

Aqui os trago, paulatinamente, a cada segunda-feira.

IV Bienal de Poesia de Silves, postais

  • Medo de não envelhecer
    Medo de viver o tempo incoerente da alma
    Medo do cansaço que trago
    Medo da predestinação que promete novo encontro
    Medo do deserto nos dedos
    Medo da sombra por dentro do Inverno (...)






quinta-feira, agosto 12, 2010

Feira Medieval de Silves - 2010 (III)


Mais três fotos; da recriação de um acampamento militar em época medieval.
E sigam Notícias de Silves (clique) para acompanhar a programação da Feira, que decorre até ao final de domingo.


Feira Medieval de Silves, Verão 2010
Feira Medieval de Silves, Verão 2010

(O olhar do camelo faz cair por terra o mito de que os camelos não têm sede)

Feira Medieval de Silves, Verão 2010

terça-feira, agosto 10, 2010

Feira Medieval de Silves - 2010 (II)


Três das fotos que utilizei para ilustrar a divulgação que venho fazendo da Feira Medieval de Silves, em Notícias de Silves (clique).


Feira Medieval de Silves, Verão 2010
Feira Medieval de Silves, Verão 2010
Feira Medieval de Silves, Verão 2010

segunda-feira, agosto 09, 2010

Postais com poemas (XV)


A IV Bienal de Poesia de Silves editou uma coleção de postais, divulgando poemas de cada um dos convidados.

Aqui os trago, paulatinamente, a cada segunda-feira.


IV Bienal de Poesia de Silves, postais

  • o amor não é de modo nenhum uma receita veloz.
    com um pouco de água
    cenouras
    batatas e cebolas
    não se fazem manjares.
    dão-se algumas cambalhotas
    dentro do calor. (...)

Maria Azenha

sábado, agosto 07, 2010

quinta-feira, agosto 05, 2010

O Lince Ibérico de regresso ao seu território


Simulação de pegada de lince, como marca de percurso da exposição no Castelo de Silves
Apaziguada parece estar a grande disputa, entre entidades públicas e as organizações de defesa do ambiente, quanto à construção da Barragem de Odelouca sem os necessários critérios de defesa ambiental, conforme recurso apresentado a instâncias europeias e que mereceu a sua aprovação
De acordo com os discursos que ontem pude escutar de responsáveis públicos, que há algum tempo atrás usavam uma linguagem bem agressiva a propósito do atraso na construção da barragem e contra as propostas que visassem a garantia da sobrevivência do lince ibérico, ontem, o lince, agora em exposição no castelo, tornou-se o alvo dos maiores encómios.

A exposição está patente em vários dos torreões, com percurso assinalado por simulações de pegadas de lince, como na foto acima.
Trata-se de uma exposição de fotografia, de grandes dimensões, que documentam a vida do lince em território da vizinha Espanha, da autoria de Andoni Canela, conceituado fotógrafo de natureza de origem espanhola.

Um lince jovem, fotografia a um painel de Andoni Canela

Exposição sobre o lince ibérico no Castelo de Silves, Verão 2010

Também há outros painéis, integrando o espaço dos jardins da alcáçova, como na foto acima.

O lince ibérico é o felino mais ameaçado de extinção em todo o mundo.
O Centro de Reprodução na Serra de Silves poderá, a médio prazo, conseguir a reprodução em cativeiro e espera-se por novos indivíduos que um dia possam viver, livres, neste seu território de origem, como acontece na vizinha Espanha nos locais que esta exposição testemunha.

terça-feira, agosto 03, 2010

Do Gharb ao Algarve: uma sociedade islâmica no Ocidente (IV)


Antigo Matadouro Municipal, Verão 2010
É este edifício, cujo pormenor a fotografia documenta, que acolhe a exposição a que venho fazendo referência.

O grande salão de entrada parece pequeno para albergar a quantidade e variedade de peças, que, de certo modo, perdem algum do seu brilho, num labirinto pouco iluminado, onde a cor dominante é o verde-escuro, mas...

Estela epigrafada mecionando o Bispo Julião

 


... a importância de peças como esta, a lápide do Bispo Julião, do séc. X, testemunhando a importância da comunidade moçárabe no território, ou...

 


 



Peça em marfim, representando uma ave de rapina

 


... a perfeição desta placa de marfim com a representação de uma ave de rapina, também do séc. X, que além da surpresa do pormenor e da cativante beleza, testemunha a elegância do viver das classes abastadas, com recursos e sensibilidade artística...


Cerâmicas muçulmanas       Cerâmicas muçulmanas      

... ou ainda, se bem que mais prosaicas, estas cerâmicas de indiscutível elegância, utensílios do dia-a-dia, e muitas outras peças, nomeadamente de joalharia, que aqui não referi; são, dizia eu, motivo mais do que suficiente para nos maravilhar.

Permitam-me duas referências mais:

- a de uma sala, com uma única peça em exposição, que irá variando em cada mês, e que será motivo de uma palestra, proferida por especialista;

- a de outra sala ainda, por sinal a que mais me surpreendeu e me tocou, sobre azulejaria, modelos, procedimentos, e que enquadra ainda pigmentos vários utilizados na confeção, bem como ingredientes que encantam os olhos com a exuberância da cor e o nariz com a surpresa do odor, usando os sentidos numa certa envolvência desse mundo "oriental".

Não percam a oportunidade se estiverem no Algarve ou passarem por Silves.

segunda-feira, agosto 02, 2010

Postais com poemas (XIV)


A IV Bienal de Poesia de Silves editou uma coleção de postais, divulgando poemas de cada um dos convidados.

Aqui os trago, paulatinamente, a cada segunda-feira.


IV Bienal de Poesia de Silves, postais

  • Depois do esquecimento
    é o nada
    às vezes a flor do remorso
    a lágrima tardia
    o silêncio

Luís Serrano