segunda-feira, maio 28, 2012

Um poema a cada segunda-feira (LXXX)



O Público divulgou, há alguns anos, uma série de antologias de poesia que encomendara a certas personalidades da vida portuguesa não diretamente relacionadas com a literatura.

É desse manancial que esta rubrica se irá sustentar por algum tempo, confinando-se as minhas escolhas às opções dessa personalidades e a poetas que viveram, ou ainda vivem, sob o bafo civilizacional do séc. XXI.

A primeira vaga proveio da safra de Mário Soares, a que se seguiram Miguel Veiga, Diogo Freitas do Amaral e Urbano Tavares Rodrigues.
Irei terminar com Marcelo Rebelo de Sousa.


  • QUANDO A LUA VIER TOCAR-ME O ROSTO

Esta noite morrerás.
Quando a lua vier tocar-me o rosto
terás partido do meu leito
e aquele que procurar a marca dos teus passos
encontra urtigas crescendo
por sobre o teu nome.
Esta noite morrerás.
Quando a lua vier tocar-me o rosto
terás partido do meu leito
e uma gota de sangue ressequido
é a marca dos teus passos.
No coração do tempo pulsa um maquinismo ínscio
     e na casa do tempo a hora é adorno.
Quando a lua vier tocar-me o rosto a tua sombra extinta
     marca o fim de um eclipse horário de uma partida
     iminente e o tempo apaga a marca dos teus passos
     sobre o meu nome.
Constante.
O mar é isso.
A lua vir tocar-me o rosto e encontrar urtigas crescendo por
     sobre o teu nome.
O mar é tu morreste.
O mar é ser noite e vir a lua tocar-me o rosto quando tu
     partiste e no meu leito crescem folhas sangue.
A febre é uma pira incompreensível como a aparição da lua
     e a opacidade do mar.
No meu leito a lua vai tocar-me o rosto e a tua ausência é um
     prisma, um girassol em panóplia.
Agora a lua chega devagar e o mar é o leito de tu teres partido
     uma infrutescência de eu procurar a marca dos teus passos
     por sobre o meu rosto.
A noite é eu procurar a marca dos teus passos.
Esta noite a lua terá um halo de concêntricas florações de
     gotas do teu sangue e a irisada sombra do meu leito é
     o teu rosto iminente.
A lua é uma seta.
Tu partiste é o silêncio em forma de lança.
Esta noite vou erguer-me do meu leito e quando a lua vier
     tocar-me o rosto vou uivar como um lobo.
Vou clamar pelo teu sangue extinto.
Vou desejar a tua carne viva, os teus membros esparsos, a
     tua língua solta.
O teu ventre, lua.
Vou gritar e enterrar as unhas nos teus olhos até que o mar
     se abra e a lua possa vir tocar-me o rosto.
Esta noite vou arrancar um cabelo e com a tua ausência faço
     um pêndulo para interrogar a lua por teres partido e a
     marca dos teus passos ser a razão mágica de a lua poder
     surgir de noite e urtigas crescerem no meu leito.
E se encontrar a marca dos teus passos vou crivar-lhe o
     coração de alfinetes para que tu partiste seja a razão
     mágica de tu poderes morrer-te.
Quando a lua vier em forma de lança vai trespassar
     um pássaro para lhe ler nas entranhas a direcção tu
     partiste e a marca dos teus passos consiste nos olhos
     abertos de um pássaro esventrado.
Ah, mas o luar é uma pluma do meu leito e a lua é o colo de
     tu morreste para poderes enfim tocar-me o rosto.



Ana Hatherly
Os poemas da minha vida
Marcelo Rebelo de Sousa
Público, Lisboa 2005

Siga-me no twitter
e/ou
Divulgue esta página com um

2 comentários:

hfm disse...

Há muito que a não lia e gostei.

António Baeta disse...

Sempre tão atenta, minha amiga, e eu tão longe do meu blogue.