terça-feira, agosto 12, 2008

MAPA, de certa maneira

Ontem à noite dei um salto a Faro.
Fui ao encontro de amigos, visitar a Feira do Livro e, no fundamental, assistir ao lançamento da publicação que a imagem abaixo documenta e cuja divulgação o Sulscrito (Círculo Literário do Algarve) (clique) apoiou.

MAPA, de manuel a. domingos, poesia, Livro do Dia
manuel a. domingos, assim assina, é meu amigo, autor do livro e do blog meia-noite todo dia (clique)

Nasceu em Manteigas. Publicou em 2002, o livro Entre o Silêncio e o Fogo (poesia), pelo Aquilo Teatro (Guarda). Foi colaborador do DN Jovem e da revista Rodapé (Biblioteca Municipal José Saramago - Beja). É colaborador da revista on-line de micro narrativas Minguante (www.minguante.com). Tem colaboração dispersa em várias revistas: Praça Velha (Guarda), Palavra em Mutação (Porto), Sulscrito (Faro) e Big Ode (Lisboa). Está representado na antologia de micro narrativas Contos de Algibeira (Porto Alegre, Brasil). É co-autor (com António Godinho) da peça de teatro Eu queria encontrar aqui ainda a terra, estreada no Teatro Municipal da Guarda.

Deste seu livro transcrevo um poema que me dedicou e a um outro amigo comum, como um dos percursos deste MAPA que ontem apresentou em Faro:

  • Silves

    ao António Baeta e ao Manuel Ramos

    há muito que o castelo
    deixou de proteger
    contra o invasor do norte.
    o tempo do rei-poeta
    existe apenas nos seus versos.
    agora, só resta a memória
    desses dias. mas a palavra
    moura ainda resiste
    na terra cor de sangue,
    nas amendoeiras em flor,
    no silêncio quente
    das noites de junho.

manuel a. domingos
MAPA
LIVRODODIA EDITORES, Maio 2008

3 comentários:

ana salomé disse...

al-mu'tamid. mto bonito.

Rotiv disse...

O Blogue dos Manteigas visitou este espaço :)
http://bloteigas.blogspot.com/
Post: Livro de poesia “Mapa”
http://bloteigas.blogspot.com/2008/07/manteigas-livro-de-poesia-mapa.html

PARABÉNS PELA VOSSA DIVULGAÇÃO :)
Abraços de Manteigas,
http://bloteigas.blogspot.com/

Maria disse...

Pena que o "velho casario que se estende da Ribeira até ao mar", esteja tão mal tratado, que está velho-a-cair-de-pobre.
Esperamos por melhores dias e agradecemos a visita de quem sabe apreciar :)
Obrigado !