quarta-feira, novembro 18, 2009

Em Silves onde as fontes



  • Em Silves onde as fontes

    Chegaram os cruzados e o silêncio
    tocou o fundo da água da cisterna.

    Dispersaram-se os sons do alaúde
    nos jardins do alcácer, onde as fontes
    acompanhavam vozes e corriam
    para um tempo de terra e poesia.

    E alguém chorou a sorte destes campos
    que, um pouco mais a Sul, vêem o mar.
    Alguém deixou a marca para sempre
    de um perfume mais branco que as partidas.

    Guardam flores de sangue alguns caminhos.
    Os guerreiros passeiam sob as naves

    Agora, uma flor branca sai da fenda
    mais alta da muralha e muda a cor
    da pedra à volta, dá-lhe novo brilho
    como se o tempo fosse um arco vivo.

    Húmido canto chega deste rio
    que foi lugar de festa e de viagem:
    ainda se ouve um canto nesta margem,
    um alaúde, um baile, a dança leve.

    Chega do mar um vento luminoso
    que toca a pedra ruiva do castelo:
    traz o gosto da amêndoa, da laranja,
    das rosas bravas, soltas sobre a terra.

    O Garb Al-Andaluz mostra as ruínas:
    nos poços, nas cisternas de arenito
    corre, ainda, o perfume dos vestidos,
    esvoaçando leves sobre os corpos.

    Quem dera ouvir, agora, Ibn Amar
    a ciciar os versos da paixão!
    Quem dera, em Silves, ver Al-Muthamid
    a oferecer-lhe a rosa do perdão!

    Quando chega o perfume incandescente
    dos laranjais em flor, canela e tâmara,
    ouvem-se versos soltos, prolongados
    pelas margens do Arade, o mesmo rio.

    De Abu Afan não falam as memórias:
    já os candis se apagam sobre o mar.

Firmino Mendes
A Terra e os Dias
Pedra Formosa, Guimarães 2000

Adosinda Providência Torgal
Madalena Torgal Ferreira

ALGARVE todo o mar
(colectânea)
Dom Quixote, Lisboa 2005

2 comentários:

hfm disse...

Na peugada de Al-Muthamid

Escarapão disse...

É um orgulho partilhar a mesma terra com estes Homens. Há realmente algo de especial no Algarve.