quinta-feira, dezembro 15, 2005

Um Conto (XIX)

  • Uma reacção rápida é vital

    Paulo acabava de recobrar a sua consciência. Mantivera-se inanimado, por três dias e três noites, na sequência de um traumatismo craniano. O médico disse ter sido causado pelo que lhe pareceu ser o resultado de um pontapé, desferido por uma bota militar, de biqueira reforçada a aço.

    David sentia-se delirante, fremente, de nervos à flor da pele, depois de um dia inteiro frente à consola de jogos. Era exímio no domínio dos golpes de defesa e ataque das artes marciais, no manejo dos pequenos botões com que dirigia o seu herói face a qualquer inimigo, «venha donde vier!», na sua expressão.

    Paulo, com alguma dificuldade, conseguiu recordar que se dirigia ao encontro de um amigo. Ao aproximar-se da esquina de uma rua pareceu-lhe ouvir os seus passos, que se aproximavam.

    David, frente ao espelho, simulou alguns golpes, antes de sair a caminho do ginásio. O treino permitia-lhe obter uma reacção rápida; o que é vital.

    Paulo delineou uma brincadeira enquanto escutava os passos, cada vez mais próximos. Adivinhava já a surpresa, o sobressalto, estampados no rosto do seu amigo. Aguardou que ele se aproximasse da esquina e, de repente, saltou-lhe em frente, numa atitude de ataque marcial, como nos filmes chineses ou japoneses.
    Não conseguia lembrar-se de mais nada.


6 comentários:

Torquato da Luz disse...

Muito bem escrito, como sempre. Na sequência do micro-conto de sexta-feira passada. Um abraço.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Muito bem :)
Bjx

Luís disse...

Gostei muito. Voltarei.

hfm disse...

Sempre a inesperada construção que as palavras acentuam.

António Baeta disse...

Obrigado, meus amigos.

Guerreiro da Luz disse...

Que estas festas de Ano Novo nos tragam esperanças de prosperidade e a segurança de vivermos em paz.