quinta-feira, junho 28, 2007

As Moradas Inúteis

Amanhã, 29, pelas 21h30, no CAPa (Centro de Artes Performativas do Algarve), em Faro, o meu amigo e poeta José Carlos Barros apresentará o livro - Las Moradas Inútiles, numa edição bilingue (português e castelhano), a integrar a colecção de poesia Palabra Ibérica.
Lá estarei para o abraçar e solicitar o seu autógrafo no exemplar que entretanto encomendei na Livraria Livrododia e que me permite transcrever o poema que escolhi trazer-vos.

  • Os Lugares Ausentes

    As folhas apodrecem no fundo do tanque.
    Recordas o tempo em que os canais
    traziam a água em declive
    e um estreito fio de luz acompanhava
    pelo fim da tarde o voo das aves
    a caminho dos açudes. Terás na memória
    os torrões da aluvião a desenhar o labirinto do vale,
    os muros de musgo a definir o cadastro
    e o perímetro dos campos alagados à vez,
    a vara de negrilho espetada na terra pelas mãos
    das crianças, o eco de uma voz a atravessar
    os telhados e a vibrar ainda no arame das vinhas.
    Mas agora é como se nem regressasses
    e só os ramos inclinados das tílias
    deixassem as suas folhas em forma de coração
    a apodrecer no fundo do tanque sem água.

José Carlos Barros
Las Moradas Inútiles
Ayuntamiento de Punta Umbría

2 comentários:

hfm disse...

Gostei de ler e conhecer.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Passo e no meu rastro um desejo e um beijo... bom domingo