quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Há poder nos símbolos

Clube Naval, Portimão, Inverno 2008, © António Baeta Oliveira
Alguma coisa me sugere o mar. Algo me desperta um apelo de viagem.
Sei que há Sol para além das nuvens, outros lugares que não os onde estou.
Oh, liberdade de sonhar!

5 comentários:

Torquato da Luz disse...

Essa "liberdade de sonhar" é mesmo a única que ninguém consegue roubar-nos, caro Toy.

António Baeta disse...

Olha os símbolos a condicionar-nos, muito provavelmente até nos sonhos. :))

FragaSilva disse...

Desculpa vir falar da minha ilha, mas o teu texto avivou-me as recordações...

Aquele abraço

FragaSilva disse...

Há um lugar no meio do oceano que
Cada segundo tem três minutos
Tudo decorre em câmara lenta
O bailado dos Garajaus enamorados
O Mar azul que te puxa e hipnotiza
A Lua que te beija e acaricia
O calor que a pedra vulcânica gera
O verde "punctum" que fere qualquer fera
A alegria de um "gang" de Golfinhos
Os sons do silêncio que aos pouquinhos
vão sendo entrelaçados com a risada
da onda que brinca com a areia
Para quem não faz a mínima ideia
onde é... Ilha do Corvo

António Baeta disse...

Um prazer ver-te por aqui, Luís. A porta está sempre aberta.
Um abraço.