segunda-feira, junho 23, 2008

Nas margens da poesia (V)

Guardei esta minha última intervenção a propósito da III Bienal de Silves para vos trazer um poema da autoria da pessoa que é a vida deste projecto - Gabriela Martins, silvense, de quem me honro ser tratado como amigo e por quem tenho sincera amizade.



  • Sou um vagabundo e
    ando com as palavras
    nuas em casa ou
    esculpidas em verso
    branco

    sou um vagabundo e
    brinco com as palavras
    presas às folhas
    impressas em seis livros

    sou um vagabundo que
    despiu a palavra
    ao poema

    os vagabundos são como
    livros

    vestem.se de palavras

gabriela rocha martins
Nas margens da poesia
Câmara Municipal de Silves, 2008

4 comentários:

gabriela rocha martins disse...

estranha mente

hoje ao abrir a tua porta

como habitual mente faço com os MEUS amigos
dou de caras com esta surpresa....

há ,porém ,uma rectificação que se impõe

não sou "a vida deste projecto" .não! sou ,isso sim ,uma das "vidas deste projecto" .porque tenho a felicidade de contar com AMIGOS que nunca me fecham a porta quando lhes peço guarida .são lindíssimos os meus AMIGOS e ,hoje ,a grande maioria tu conheces, também

à POESIA ,António!

bem hajas .obrigada


.
um beijo

hfm disse...

Cheguei ontem depois de 1148km. Só para mandar um abraço.

António Baeta disse...

Bem hajas, Gabriela!
Um beijo.

António Baeta disse...

Outro, grande, para ti.
Agora venham os relatos, Helena.