sábado, outubro 19, 2013

N' A tertúlia mais PEQUENA do mundo



Na passada quinta-feira, à noite, numa tertúlia que decorreu no Quiosque Al-Mu'tamid, sob a iniciativa da Biblioteca Municipal de Silves, tive a oportunidade de dar voz a este meu poema, já aqui antes publicado neste blogue, em 10 de Outubro de 2007.



Algar Seco, Carvoeiro, Outubro 2007, © António Baeta Oliveira
Foto de minha autoria, batida no Algar Seco, em Carvoeiro.

  • Dissimulação

    Os que parecem pescar, debruçados
    nestas falésias sobre o mar, dissimulam
    o apelo irresistível do

    s i l ê n c i o

    e a vertigem dos grandes

    e s p a ç o s

    na busca da parcela, que lhes cabe,
    do todo do

    i n f i n i t o.

António Baeta Oliveira


3 comentários:

hfm disse...

Quando o infinito abraço a distância só posso dizer obrigada por ter este poema para colorir uma manhã incerta.

António Baeta disse...

Um prazer enorme, o de rever-te por aqui.

António Baeta disse...

Um prazer enorme, o de rever-te por aqui.