terça-feira, julho 12, 2005

Srebrenica

© www.pbs.org/cryfromthegrave
(Ao clicar na foto pode aceder ao site)

Dez anos passaram.
Na Europa, supostamente civilizada, um destacamento do exército sérvio, supostamente não terrorista, separa, de entre a população de Srebrenica, as famílias muçulmanas e sistematicamente assassina cerca de 8 milhares de homens e rapazes, no maior genocídio que se conhece desde a II Guerra Mundial.
Soldados e civis sobreviventes, muitas mulheres, regressaram ontem para chorar de novo durante o funeral de mais 610 homens e rapazes, recentemente descobertos numa vala comum.
Li por estes dias, via Courrier Internacional, o pequeno texto que transcrevo abaixo, de Aleksander Hemon, escritor nascido em Sarajevo:

  • " (...) O deslize mais grave é a existência da Bósnia-Herzegovina de Dayton. Esse Estado tem na sua presidência e no Parlamento representantes de forças políticas que não o reconhecem. Os herdeiros ideológicos dos criminosos governam as vítimas. (...) "


1 comentário:

Jorge Freitas disse...

A vida continua...e ainda bem! nem que seja para ver coisas destas...e outras que se lê, tão bem que retratas o que assistimos nessa 6ªfeira. Bem hajam! pelo tónico de qualidade, bom gosto e prazer pelo teatro.
Abraço