terça-feira, janeiro 20, 2009

Cai a noite

Passeava-me hoje por aqui (clique), revendo alguns dos meus posts mais antigos e decidi premiar-vos com um poema de autoria luso-árabe, já que neste ano que há pouco começou ainda não o tinha feito. Escolhi precisamente o mesmo autor, Ibn Sara, que muito aprecio, e procurei um tema de Inverno.

Ei-lo!


  • cai a noite.
    sob o manto da sombra
    o braseiro é um bálsamo
    que sara o aguilhoar
    dos escorpiões do frio.
    ardente, talhou as mantas,
    o nosso cálido abrigo
    onde frio se não consente.

    o incêndio na lareira
    (nós olhando fascinados
    e a grande taça de vinho
    que vai passando em redor)
    mal nos permite a intimidade
    e logo nos afasta.

    é como mãe,
    que umas vezes amamenta
    e outras nos retira o peito.

Adalberto Alves
O meu coração é árabe
Assírio & Alvim, Lisboa 1999

2 comentários:

hfm disse...

Que beleza! Permito-me destacar:

"ardente, talhou as mantas,
o nosso cálido abrigo
onde frio se não consente."

Um abraço.

António Baeta disse...

Curioso; também gostei muito dessa imagem.
Obrigado, Helena!