sexta-feira, setembro 16, 2005

Um Conto (XIII)

  • Aquela paz sem fim

    Deitado de costas sobre a areia molhada, comecei a aperceber-me de que estava rodeado de gente. Surpreenderam-me os olhares atónitos, os grotescos ritos faciais.

    Era uma plena tarde de Verão. Uma faixa de areia dourada demarcava o contorno da baía. O mar confundia-se com o céu num matizado de azul, de um inebriante azul.
    Desci à praia. A calma ondulação convidava ao mergulho. O corpo aceitou com agrado o contacto com a água tépida. Mergulhei. Pareceu-me avistar um rochedo, isolado naquele fundo de areia. Tomei fôlego. Mergulhei de novo, mais profundamente. A refracção do sol projectava fantasmagóricos cambiantes de luz, evolucionando ao sabor da corrente que agitava as algas em atraentes movimentos baléticos. Curiosos peixes, pequenos e irrequietos camarões, até um polvo, que se escondia na sua toca, participava, com os seus tentáculos, nesta coreografia.

    Subitamente algo aconteceu.

    O rochedo ganhava a configuração do corpo dela, nua e palpitante. O seu sorriso, de maliciosa inocência, o penetrante olhar, os braços ondulantes abrindo-se para mim, o corpo em abandono, oferecendo-se-me.
    Recordo o amplexo do nosso desejo e uma inquebrantável vontade de me aninhar a seu lado e com ela ficar, docemente, naquele sossego, naquela paz sem fim.


P.S.
A propósito do desastre de New Orleans, chamo a atenção para estas três galerias de fotos, com música, sob o título "Jazz em silêncio", no Público. (clique no sublinhado)

2 comentários:

Adriano Costa disse...

E quem era essa sereia que desta forma te encantou, amigo António?

Gostei muito da suavidade com que me embalaste ao longo destas linhas

Laurindinha disse...

Gosto da fluidez da sua prosa e da beleza e precisão das palavras.

Continue sempre a escrever!