quarta-feira, agosto 18, 2004

Um casamento em Xauen

Ainda um outro trecho retirado do meu registo de memórias:

  • (...)
    À noite vesti uma roupa mais vistosa do que o habitual, perfumei-me com maior profusão e fui ao casamento de Nuredin, o meu professor de árabe.
    Receberam-nos com alegria. Fomos apresentados à noiva numa sala especial de recepção. Dançámos sob o olhar atento das mulheres marroquinas, menos curioso, apesar de tudo, do que o das suas filhas. Algumas, mais atrevidas, juntaram-se-nos a dançar; confidenciaram-me ser emigrantes em França.

    As mulheres e as filhas sentadas em torno do salão, os rapazes concentrados junto à orquestra de temas românticos de sabor fora de época, os bolos de amêndoa e o chá de menta.

    Não fossem as roupas das mulheres e o chá de menta em vez do alcool e dir-me-ia num casamento português, na província, há uns anos atrás.


As restrições religiosas à reprodução da figura humana dificultam as fotografias. Não as tenho do casamento de Nuredin. A de ontem, das crianças na rua, tirei-a sob as arcadas de um café, resguardado dos seus olhares. As de hoje, obtidas num mercado, foram bem mais fáceis:
- a primeira, por motivos óbvios;
            Mercado em Uad Lau, Marrocos, Agosto 2004, © António Baeta Oliveira
- a segunda, porque a atenção dos protagonistas estava demasiado ocupada nos "saldos".
                              Mercado em Uad Lau, Marrocos, Agosto 2004, © António Baeta Oliveira


1 comentário:

francisco ricardo disse...

É recorrente, mas as suas fotos são vivas!fcr.