sexta-feira, janeiro 28, 2005

Pelo aniversário da Nena


      • Dia de Anos

        Com que então caiu na asneira
        De fazer na sexta-feira
        Vinte nove anos! Que tola!
        Ainda se os desfizesse...
        Mas fazê-los não parece
        De quem tem muito miolo!

        Não sei quem foi que me disse
        Que fez a mesma tolice
        Aqui o ano passado...
        Agora o que vem, aposto,
        Como lhe tomou o gosto,
        Que faz o mesmo? Coitado!

        Não faça tal; porque os anos
        Que nos trazem? Desenganos
        Que fazem a gente velho:
        Faça outra coisa; que em suma
        Não fazer coisa nenhuma,
        Também lhe não aconselho.

        Mas anos, não caia nessa.
        Olhe que a gente começa
        Às vezes por brincadeira,
        Mas depois se se habitua.
        Já não tem vontade sua,
        E fá-los queira ou não queira!

João de Deus

Nota: Os caracteres mais pequenos apontam para adaptações de circunstância; o poema de João de Deus não foi dedicado à Nena, minha filha, mas a Zeferino Brandão, que fazia vinte seis anos a uma quinta-feira.


6 comentários:

Carlos Rocha disse...

Parabéns à Nena e a ti também meu amigo, que contem muitos anos, na companhia dos que mais gostam.
Beijinhos e abraços de Parabéns

HFR disse...

Parabéns à Nena e a ti que te lembraste do João de Deus. Um abraço do Helder

Torquato da Luz disse...

Meu caro Toy, parabéns aos aniversariantes, pai e filha, com votos de muitas felicidades.

Asulado disse...

Muitos parabéns e o desejo de 99 red balloons (comentário apenas perceptível para quem os eighties não foram apenas mais uma década) :-)

Santos Passos disse...

Parabéns.
E obrigado pela lembrança do poema.
Ab ração
SP

António Baeta disse...

Obrigado, amigos!