quinta-feira, janeiro 20, 2005

Líricos algarvios (V)

Torquato da Luz, que Dia a Dia é poeta no seu blog e consta já da lista ao fundo desta página, também colaborou, enviando este poema de António Pereira (Armação de Pêra - Silves):



      • Eu sou de Armação de Pêra,
        Essa das ruas p'ra o mar
        Como quem vai embarcar...
        Das ruas que vêm da praia
        Como quem volta do mar.

        Lá em Armação de Pêra
        Pode não me esperar ninguém,
        Nem avós, nem pai nem mãe.
        Mas o mar sempre me espera
        Ao fundo da minha rua,
        Daquela rua onde eu moro
        Lá em Armação de Pêra.



1 comentário:

Torquato da Luz disse...

Há outro poema de António Pereira (que foi conservador do Registo Civil em Silves e conheci pessoalmente), de que também gosto muito. A certa altura, diz (cito de memória): 'Rua Estreitinha ou Rua dos Abraços,/ todos são pobres nessa rua estreita./ No chão brincam os moços, sujos e descalços/ e a mãe, atrás da porta, faz empreita'.