quarta-feira, maio 04, 2005

Maio e a nostalgia do mundo rural

Ainda na sequência do que aqui se disse sobre o mês de Maio e os "maios" da casa rural da Quinta Pedagógica, quero deixar-vos algumas fotos que lá tirei por ocasião da já referida Batida Fotográfica dedicada à Serra de Silves.
Revisito as minhas memórias de menino onde a água, agora canalizada, era então servida em cântaros; havia leitos de ferro, pintados de branco e sobre as mesas-de-cabeceira mantinha-se o cocharro, junto à bilha de água, e o despertador, de tecnologia mecânica da época; o penico e o tapete de retalhos coloridos, sob o leito.

Quinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta OliveiraQuinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta OliveiraQuinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta Oliveira

Ainda os utensílios de costura; as maçarocas de milho e as quartas e os alqueires para a medição dos cereais e das leguminosas secas; os apetrechos indispensáveis ao transporte do leite e ao fabrico do queijo.

Quinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta OliveiraQuinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta OliveiraQuinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta Oliveira

Casa rica esta, de agricultor de medianas posses, nada comparável aos pequenos casebres, de chão de terra batida e telhados de cana e telha dos pequenos proprietários ou dos que se ocupavam das ricas e requintadas quintas dos grandes proprietários de então.


2 comentários:

Santos Passos disse...

Maravilha de post, António. Ah, o penico debaixo da cama ainda era hábito de meus pais. Assim como o tapete de retalhos coloridos.
Abração.

Pecaaas disse...

Parabéns!Muito bons apontamentos