terça-feira, maio 03, 2005

Maio e os maios

Quinta Pedagógica da Serra de Silves, Abril 2005, © António Baeta Oliveira

A foto documenta a reprodução de uma casa algarvia, serrana, na sala de entrada da Quinta Pedagógica da Serra de Silves, que recentemente serviu de sala de recepção aos participantes na 4ª Batida Fotográfica APARTE/Racal Clube, ocasião em que bati a fotografia, e foi, neste 1º de Maio, o local de convívio proposto aos cidadãos pela Junta de Freguesia (em Silves o 1º dia de Maio é tradicionalmente comemorado no campo, petiscando caracóis).
Os dois figurões sentados ao fundo são dois bonecos, designados por "maios", que se construíam no 1º de Maio de cada ano, simulando visitantes, com quem partilhávamos os "queijos" de figo e nos saudávamos com um cálice de aguardente de medronho (evocação que aqui recordo numa transcrição de um texto de Rosa Dias, em Um pouco mais de Sul).
Desconheço qual a origem desta tradição e o seu profundo significado, para além do relacionamento com o equinócio da Primavera ou, ainda, com a deusa romana da fertilidade, donde se diz que provém o nome deste mês.
Recordo, de criança, a curiosidade que sempre despertava a maia ou maios do professor Samora Barros. Ricamente vestidos, eram colocados a uma das janelas do seu solar, na margem esquerda do Arade, frente à ponte, e todos os queriam apreciar.
A minha mãe sempre os construíu e mesmo eu os fui fazendo ao longo de alguns anos, durante a infância de minhas filhas.

P.S.
No dia em que publico este post, 3 de Maio, é tempo da Feira das Cruzes, uma feira tradicional, praticamente em vias de extinção, cujas designação e origem me proponho sempre investigar em cada ano que passa e acabo por esquecer. Alguém avança uma sugestão?

6 comentários:

Anónimo disse...

3 de Maio é o dia de Santa Cruz ou, segundo o calendário litúrgico, o dia da Invenção da Santa Cruz. Segundo parece era tradição decorar cruzes com flores e colocá-las à janela antes do nascer do sol. Depois, e já durante o dia, rezava-se uma oração. Era também neste dia que começava oficialmente a sesta rural em Silves (2 horas depois do almoço): "...a sesta começa com a cruz e acaba com a luz"(8 de Setembro-dia de Nª Sª da Luz).

António Baeta disse...

Suponho que sejas tu, Manuel, o autor da nota. Não escolhas ser anónimo de futuro, antes "other" e poderás colocar o teu nome. Fiz alguma pesquisa e soube destas comemorações da Cruz em notável romaria minhota em Barcelos, desde 1504, ligada a um certo fenómeno de cruzes desenhadas no chão. Comemora-se por toda a Espanha, nomeadamente em Córdova, e América Latina, com conotações cristãs e pagãs. Já não consta do calendário litúrgico.
Obrigado.

hfm disse...

É bom conhecer algumas das nossas tradições.

JG disse...

Muito interessante a tradição referida pelo anónimo. Sou algarvio de um pouco longe de Silves e não conhecia a expressão sobre o hábito da sesta. Vou transcrever no meu blog.

chalabi red disse...

tambem há na Galiza uns personagens que recebm o nome de Maios .

HFR disse...

António: deixo-te um pequeno texto que tenho escrito e publicado sobre o tema dos maios no Algarve.
(Mudei a identidade para deixar o link). Helder.