quarta-feira, maio 31, 2006

O grande livro de histórias feito cidade

Alcáçova de Silves, Maio 2006, © António Baeta Oliveira

  • Mudava periodicamente de mundo aos Domingos,
    dia de visita aos avós em Silves.
    Saía de Portimão aos Domingos
    e entrava no grande livro de histórias feito cidade.

    A cisterna da avó escondia algo indeterminado
    e aquele tufo de erva à entrada da porta, era um sinal feliz,
    assim ela o garantia.

    O canário cantava melhor quando comia ovo cozido,
    asseverava.
    E eu sem cantar era ali que melhor sonhava.
    Junto ao velho castelo ruivo permanecia um cenário secular,
    que esperava há séculos por novas personagens
    que eu laboriosamente criava durante as aulas de Matemática.

Fernando Gregório
Poema inédito

5 comentários:

RS disse...

Agora fizeste que me lembrasse das minhas aulas de matemática...

Um abraço,
RS

António Baeta disse...

Também punhas a discorrer a imaginação em vez do raciocínio? ;)

RS disse...

Nem mais! ;)
Era um voar que não acabava nunca!

Até breve,
RS

Anónimo disse...

I find some information here.

Anónimo disse...

Here are some latest links to sites where I found some information: http://neveo.info/2047.html or http://neveo.info/1529.html