segunda-feira, março 15, 2004

Meditação sofrida

"Na barca do coração", de Casimiro de Brito, com data de 14 de Março de 2000:


  • " Meditação sofrida sobre o tanto que se rouba - a própria Natureza é implacável - aos que não têm quase nada. As inundações de Moçambique são o último exemplo: a guerra tirou-lhes tudo, a fome levou o resto e do nada que ficou vieram as águas e levaram mais um bocado - as magras alfaias, o chão da casa e um sem-número de vidas. O que resta? Cenas agónicas: um bébé que nasce no cimo de uma árvore; as minas arrancadas pelas cheias, indo trucidar não se sabe quem nem onde nem quando; a disputa com as cobras por um galho mais alto onde possa chegar a corda de um helicóptero tantas vezes imaginário; a cólera depois do salvamento, de quê? Um povo que vai caindo um pouco mais, quando parecia improvável que houvesse ainda outro buraco."


    " Não devias fumar tanto, vais acabar com um cancro no pulmão - disse um amigo a Michel del Castillo. Que lhe respondeu: O que me custa viver não é o futuro mas o presente, este instante, este momento que o cigarro me ajuda a esfumar. "

    Camilo Pessanha
    (Coimbra, 1867-1926)
    "Imagens que passais pela retina"

    Imagens que passais pela retina
    Dos meus olhos, porque não vos fixais?
    Que passais como a água cristalina
    Por uma fonte para nunca mais!...

    Ou para o lago escuro onde termina
    Vosso curso, silente de juncais,
    E o vago medo angustioso domina,
    - porque ides sem mim, não me levais?

    Sem vós o que são os meus olhos abertos?
    - O espelho inútil, meus olhos pagãos!
    Aridez de sucessivos desertos...

    Fica sequer, sombra das minhas mãos,
    Flexão casual de meus dedos incertos,
    - Estranha sombra em movimentos vãos.

1 comentário:

hr disse...

É bom ver o Casimiro de Brito, recorrentemente presente nalgumas páginas. Em pesquisa na sua terra natal (Loulé) ficamos a saber que a biblioteca local - que não tem o seu nome - e na livraria da cidade, o poeta não se encontra em livro, já que em pessoa, ausente está.
Entretanto, vamos lendo aqui e lá em cima^.