segunda-feira, março 01, 2004

Março. É mês de Primavera!

A chegada do mês de Março sugere-me a proximidade da Primavera.
Notando que irá sair pela linha de fundo deste meu blog o último poema de expressão luso-árabe que aqui deixei, procurei um trecho que recreasse este renascer primaveril, tão simbolizado no amor e no êxtase dos sentidos, como o deste poema de Ibn Habib, de Silves.


  • quando ofereces aos que estão presentes
    o vinho ardente que nas faces sentes
    (como o copeiro as taças ao redor)
    não deixo de beber um tal rubor.

    esse vinho é tornado generoso
    por quem, ao olhar-te, lhe confere cor
    enquanto o outro se torna gostoso
    nos ágeis pés do vindimador.


ALVES, Adalberto
O meu coração é árabe
Assírio & Alvim, Lisboa, 1998

4 comentários:

eduardo disse...

Então aqui vai, amigo António. Bom dia! Mês da Primavera que anuncia que é mais uma que me torna um pouco mais velho. Mas quero lá saber. "Quando ofereces aos que estão presentes
o vinho ardente que nas faces sentes
(como o copeiro as taças ao redor)
não deixo de beber um tal rubor."
Um abraço.

Sara Xavier disse...

Cada vez mais vou ficando admirada com a modernidade destes poemas que o António aqui tem colocado. Uma beleza, uma suavidade, uma enorme sensibilidade!

Um abraço

crisblog disse...

Amigo, gostei muito do seu blog. Vou colocar a sua relação de poesias luso-árabes em meu blog, chamando para o seu. Parabéns!

Beijos.

António Baeta disse...

Faça-o, Cris!
Est mundo precisa de poesia.
Um beijo.