quinta-feira, abril 15, 2004

As praias desertas, a que volto sempre

De A Barca do Coração, de Casimiro de Brito, Campo das Letras, Porto, 2001.
Com data de 15 de Abril:

  • " (...) Algo de mim regressa sempre às praias desertas, ou quase, e neste quase reside o caos voluptuoso do lugar onde me cumpro: a pata das gaivotas desenhadas na areia, o nó das ondas por desatar, e, já desatados e humildes a meus pés, o filtro de um cigarro fumado onde quando por quem?, um botão entre as conchinhas, "olha, esta é violeta", um bicho-de-conta categórico na sua passagem do sol para a sombra, tufos de plantas de que não sei o nome, o pescador Filipe sabia, o pescador Filipe já morreu, era também um homem do campo, caroços de cereja, estame de jacto no azul do céu, uma lata de Coca-Cola, um cão que mastiga profano a brisa que vem do mar, outro botão, uma lâmpada, inseparáveis resíduos urbanos, o tacão de um sapato, um jornal amarelo onde se diz que "a democracia travou às quatro rodas", não leio mais nada, o que leio é no alto e no chão, o belo enigma em desassossego das praias desertas, a que volto sempre, à minha cabana de ar salgado, e tenho na minha mão a tua mão, as tuas mãos que me refrescam as costas com um pouco de creme, "vamos comer ostras?", e há ainda o que já não há, neste pedaço de praia. Ali houve uma armação de atum, partiam barcos que depois apodreceram, os cascos foram comprados pelos fundos comunitários, vês aquelas âncoras? Os pescadores vendem agora, de uma maneira ou de outra, sol, sol aos europeus do norte, quando a praia já não é um paraíso deserto, para mim ainda é, deito-me junto às âncoras e a restos de leme, memórias roídas por mil marés. Regressam já as gaivotas, picaram e ganharam, atestaram os estômagos, mas nunca as vi dormir. Um cão salta-lhes em cima, e falha, quantas vozes tem o meu deserto? Começo a lembrar histórias da infância, mas o melhor é olhar, cheirar. A espuma das ondas, o sexo do sal que me penetra a carne toda. Mijo para o ar. Vamos às conquilhas. Nem tudo está perdido. (...) "

8 comentários:

jcb disse...

É um texto excelente. Com um senão: não me parecia mal que o Casimiro de Brito primeiro fosse às conquilhas, e só depois mijasse para o ar (que o que sobe, cai).

fcristovao disse...

Nostalgia de um tempo que não é, num tempo e praia desagradada, muito desencanto, laivos de mãos amantes, e restos de infância, simbolizada naquele acto fisiológico, tão verdadeiro quão necessário e quão inocente! fcr.

helder disse...

Ninguém melhor do que Casimiro traz a infância a visitar os tempos de Europa, Futebol e Apitos Dourados.
Já agora, José Carlos, Casimiro sabia o que fazia e melhor o que dizia: mijava para o ar na Quinta do Lago, porque já tinha arrastado as conquilhas em Santa Luzia. Ele não disse, eu revelo-o, só a quem lê Casimiro.

Agradecimento ao António!

jcb disse...

Helder: obrigado pelo esclarecimento. Aquilo era uma brincadeira, claro, e é claro também que o Casimiro havia de saber o que fazia (mijar na QL, ah?...)... Sim, também o leio, e já o convidei a colaborar connosco (revista SUL), a que prontamente acedeu com poemas inéditos...
Um abraço.

hr disse...

António, desculpa estarmos a conversar em tua casa, na ausência... do teu disco, mas é para dizer ao José Carlos que foi da Sul [1:74] que roubei o fragmento 145 do Livro das Quedas, que usei na crónica ali em arquivo. Devo agradecer! Aliás, a minha caixa de correio - a que "recebe cartas verdadeiras" - continua à espera da Sul e do raio da Periférica, nº8 que se esgotou...e tenho que a ler aos bocadinhos na biblioteca de Faro. Obrigado malta...
Abraços do hr

António Baeta disse...

Com ou sem disco, disponham - "Mi casa es tu casa".
Foi com prazer que vos vi conversar, se bem que já depois da conversa terminada.
Um abração.

jcb disse...

A SUL, como boa revista católica, sai quando Deus quer. Mas Deus quer que, talvez na próxima semana, nunca depois das duas próximas, saia um novo número. Até lá, um abraço.

helder disse...

O que fazemos no sul, senão esperar outros dias de sol?
Cumprimentos do helder.