segunda-feira, abril 12, 2004

Ouguela, teima em sobreviver

Ouguela, Verão de 2002, © António Baeta Oliveira
Ouguela, onde a "terra" (e a estrada) acaba(m) e... a Espanha começa.
Respondo a um simpático e comovente apelo de divulgação de Ouguela Com Vida, o blog de um professor do 1º ciclo que, com os seus 5 (cinco) alunos, anima os cerca de 100 (cem) habitantes que vivem nesta pequena localidade.
A partir do blog poderão aceder ao site da escola, que reflecte a vida da comunidade, os seus costumes e tradições.

Recordo o Verão de 2002 e o meu passeio, Guadiana acima, visitando as suas duas margens. Em Ouguela restava a sua fortaleza do séc. XVII, ao tempo da Guerra Peninsular, e as moradias dos poucos que ficaram. Lembro-me de a ter avistado a partir da fortaleza oponente, Albuquerque, do outro lado da raia, no dia seguinte.
Nessa minha tarde em Ouguela dei boleia, até Campo Maior, a um acolhedor residente que me revelou conhecer a localização de cada um dos marcos da divisória fronteiriça e já ter apoiado historiadores, geógrafos e outros curiosos que por aqui passam procurando reconstituir o traçado raiano.

Recordo ainda o momento em que tirei a fotografia acima, a partir do topo da fortaleza, numa ameia que se abria como uma janela a perder de vista nesse horizonte atapetado de oliveiras. Momentos antes ou depois de ter batido a fotografia - o tempo já não me permite tal precisão - lembro-me de ter telefonado a minha mulher, numa praia algarvia com as nossa filhas, e me ter deparado com um telefonema que me foi servido por uma operadora espanhola.
Por ali, andamos longe do poder, centralizado, do país mais macrocéfalo da Europa. Talvez por isso a minha particular atenção a esta Ouguela Com Vida, que teima em sobreviver, trinta anos depois da grande esperança do 25 de Abril.

5 comentários:

Antonio Mendes disse...

Caro amigo Antonio,
Obrigado pela calorosa mensagem!...

É de crucial importância, para os alunos e para esta comunidade, o carinho com que a sua terra e a sua cultura são tratados pelos que os visitam e admiram a riqueza história e cultural da aldeia e hospitalidade das suas gentes...
Uma palavra d e incentivo, tantas vezes é o suficiente para encher a alma de esperança... esperança em que os desejos de quem nos visita se tornem na realidade que o abandono politico teima em contrariar...

Acreditamos que as nossas crianças, os adultos e, de modo especial, os idosos merecem condições de vida já... estes ultimos nos poucos anos que lhes restam...
Queremos, por isso, ver de novo
OUGUELA COM VIDA...

Antonio Mendes disse...

Ouguela com vida (continuação)
Para o conseguirmos, procuramos diariamente, falar desta comunidade, na net, nos encontros cientificos, regionais, etc.
Estas actividades, desenvolvidas por um grupo de professores de Campo Maior, (Agrupamento de Campo Maior) com o objectivo de potencializar a cultura e a intercomunicação dos alunos desta escola com os colegas de Campo Maior, de Portugal inteiro, da Estremadura Espanhola e de toda a Europa.
Pretendemos assim quebrar o isolamento geográfico e valorizar os saberes tradicionais, fazendo deles um factor preponderante, na intercomunicação com outras escolas e outras comunidades.
Em Ouguela participamos em projectos como o "Ciência Viva", "Sócrates/Comenius", "Escolas Rurais", "Do Longe Fazer perto", etc.
Temos o apoio da ESE de Portalegre, do Instituito das Comunidades Educativas e de muito amigos que, como vós, incentivam, com muito carinho, os alunos a trabalhar na sua comunidade.

Antonio Mendes disse...

Nós acreditamos que em Ouguela, entre O Caia, o Xévora e o Abrilongo há um mundo de magia, entre o sonho e a realidade. Há um ambiente e uma comunidade com vida, que merecem ser estudados e protegidos.
Em Ouguela e Degolados desenvolvemos actividades de educação ambiental e de intervenção comunitária que congregam a escola e a comunidade, em particular os idosos, recuperando os saberes tradicionais e tornando-os parte integrante da formação cívica e cultural das novas gerações.Com estas actividades procurámos permitir a criação de espaços de troca, partilha e aprendizagem entre a escola e a comunidade, contribuindo para a criação de uma escola inclusiva e reforçando os laços e a identificação entre ambas as instituições.De igual modo procurámos partilhar estas actividades com os nossos parceiros europeus do projecto “De mãos dadas por uma escola melhor” que pretende reforçar os laços entre as diversas instituições vivas da comunidade.

Antonio Mendes disse...

Utilizando a Internet procuramos que os alunos aprendam com os pais e com os avós...
E os alunos tornaram-se, eles mesmos, “Aprendizes de Pigmaleão”, transmitindo preciosos conhecimentos sobre a sua cultura...
Com a internet, uma janela se abriu para Ouguela... e, assim, todos os que através dela se juntaram aos 89 professores de Ouguela, deixaram um pouco de si no processo de aprendizagem e crescimento dos alunos. Cada um dos correspondentes tornou-se assim num actor privilegiado da afirmação de uma comunidade e contribuiu de forma decisiva para o crescimento destes alunos como elementos activos, críticos, participativos e conscientes da sua riqueza cultural, ambiental, histórica e, também, paisagística. Riqueza essa que assim se afirmará como meio privilegiado para a formação das futuras gerações de Ouguelenses.
Venham-nos visitar a Ouguela!...
OUGUELA conVida!...
Um grande abraço para Silves!...
www.eb1-ouguela.rcts.pt

Manuel Ramos disse...

Daqui também saúdo Ouguela e o trabalho e persistência deste colega, incansável entusiasta na divulgação dessa pequena mas bonita terra. Fiquei a conhecer o admirável trabalho desenvolvido naquela nº1 através das inúmeras mensagens de e-mail que regularmente dali saem para toda a RCTS!
Mais uma abraço de parabéns!