quinta-feira, abril 01, 2004

Duas homenagens

A abrir este mês de Abril quero, num só poema, homenagear Nuno Júdice, através da sua homenagem a Ibn 'Ammar. São dois poetas do meu Algarve, que o tempo separou por mais de 900 anos.

  • Ben Ammar, de Silves (m. 1086)

    Canta, como sombra, uma cidade
    que já não existe; e os seus versos dirigem-se
    à mulher mais bela do mundo, de
    quem não ficaram outras memórias
    nem retratos. Mas as suas palavras
    talvez cheguem
    para que adivinhemos o paraíso:
    palácios onde a água corria nos pátios,
    e o quarto onde a amada descobria o rosto,
    perante o espelho, resistindo à tarde
    que a empurrava para a varanda,
    e os risos cúmplices do namoro,
    fingindo ignorar esse poeta que a persegue,
    como gazela, tentando prendê-la
    à página. Ali, branco no branco
    e preto no preto, liberta da efemeridade
    da vida, a vou encontrar: sem nome
    nem idade, flor eterna
    no jardim sem inverno dos amantes.


Nuno Júdice
O Movimento do Mundo
Livros Quetzal, Lisboa, 1996

6 comentários:

amelia disse...

bela homenagem a dois poetas de que gosto!

jcb disse...

António: conheces, do N.J., O Estado dos Campos? É um belíssimo livro. (Tenho para empréstimo...)

António Baeta disse...

Tenho de N. J. a poesia reunida entre 1967 e 2000, mas o "Estado dos Campos"..., não. Sei que virás amanhã ver-me no teatro. Telefona-me, e se vieres cedo podemos jantar; cedo, porque não quero entrar em cena de barriga cheia e sem lucidez. entendes?!
Um abraço.

Alberto disse...

Sou assíduo desta página e tenho-a nos meus links. Já agora dêem uma olhadela ba minha em albertovelasquez.blogspot.com
Se acharem q tem qualidade peço-vos que adicionem o link para maior divulgação. Obrigado

jcb disse...

António: então, se Deus quiser, até logo...

TUTU disse...

ALERTA GERAL: POR FAVOR VEJAM ISTO: Ok, ok... nós já sabiamos, mas... ( NO VIZINHO) www.vizinho.blogspot.com