quarta-feira, abril 28, 2004

Silves EM CENA

Está aí EM CENA, no seu número 8 (oito), dito de inverno.primavera, destacando particularmente a poesia e a fotografia.
A revista de que vos falo é propriedade da Sociedade Recreativa Artística Farense e no final do seu editorial, de Paulo Penisga, lê-se:

  • " No Verão de 99, aquando da aparição da Em Cena, escrevíamos assim: "Fartos de banalidades e de futilidades, procurararemos dar lugar a um humanismo autêntico feito à medida dos nossos desejos mais íntimos e profundos." Em 2004, trata-se de habitar o presente, o seu absurdo sentido. Este é um número para a posteridade, conscientes de que depressa desapareceremos na voragem do tempo. Mas... como o esquecimento tem memória, algo há-de permanecer. No essencial, sempre nos movimentamos a pensar no fogo eterno, apesar de por vezes termos ardido fugazmente. Os deuses que nos perdoem, somos simples mortais.
    Existimos a cada passo e somos mais reais. Um abraço muito especial a todos os vendedores de sonhos. "


Desta edição de EM CENA, com a devida vénia, quero transcrever um poema de Luiza Neto Jorge:
  • SILVES 83

    Nas cidades do sul
    há violência e há excesso,
    de semente.
    Estalam os rios e foge a água.
    O corpo, encortiçado, racha.

    Lendas vêm de há séculos assoreando
    as margens.
    E quando à boca de um poço vamos
    provar o nosso eco,
    águas puras irrompem,
    noutra língua.

6 comentários:

fcristovao disse...

Enquanto houver quem sonhe não acabará o mundo do espírito e da arte, criado com, entre outros, os rasgos de Antero, com os da geração do Orpheu e renovado ....por P. Penisga!
Belo poema o de Luíza Jorge ! Onde está o Ministério, eufemisticamente, chamado de Cultura, onde está a sua Delegação, onde estão os Departamentos Municipais deste país, que não divulgam, não promovem edições populares das obras de muitos "oficiais" das Letras e da Língua Portuguesa? São mais os organismos e os funcionários estaduais que os artistas que deviam apoiar! fcristovaoricardo@sapo.pt

jcb disse...

Belíssima edição, esta da Em Cena. Excelente o equilíbrio entre a imagem e o texto. Grafismo de primeira - arriscando sem sufocar. Vamos lá todos comprar a Em Cena e esgotar a edição...

António Baeta disse...

Concordo inteiramente. Fico agora à espera da tua SUL e da indicação da data, hora e local do lançamento.
Um abraço grande.

helder disse...

Chega a Em Cena, a Sul, a Periférica. Todas ao mesmo tempo! Não será demais? Ou quantas mais melhor?

António Baeta disse...

Não são demais, não. Mas quando penso nos próximos três meses de jejum, acho de menos.
Um abraço.

hr disse...

Estas nossas amigas, em vez de chegarem com as estações, podiam vir visitar-nos também entre elas!
Um abraço do helder.