quarta-feira, outubro 31, 2007

A música e a alegria colectiva

Anonima Nuvolari, Café Inglês, Silves, Outubro 2007, © António Baeta OliveiraTarde de domingo ensolarada, em finais de Outubro; mais exactamente no último domingo de Outubro.
Pátio exterior do Café Inglês, nas Escadinhas do Castelo, à sombra do arvoredo, tendo por cenário de fundo a vetusta Sé, outrora Catedral, e a imponente muralha almóada da alcáçova do Castelo de Silves.

O público, cosmopolita, de vários pontos da Europa e do mundo, enche as mesas, ainda repletas de pratos, travessas, copos, chávenas, garrafas, guardanapos... em refeições por terminar, no intervalo das palmas, das canções gritadas a plenos pulmões, da alegria e da festa de sabor marcadamente mediterrânico.

A animação coube aos Anonima Nuvolari (clique para aceder à sua música em myspace), provenientes da sempre bela cidade de Nápoles, ao fundo da bota italiana.

concertina e saxofonecontrabaixo

 


 


 



voz
percussãoguitarra

 


 


 



Das canções populares e das canções de amor até às canções da Resistência, numa encenação de todo informal, mas onde se distingue bem a intenção e o trabalho de coordenação, os músicos encheram o pátio com a sua vivacidade, o seu humor e a sua alegria.

Você saberão o que quero significar, quando digo que há momentos tão belos e tão intensos, tão repletos de energia colectiva, de bem-estar, que por vezes damos por nós a pensar que nesse preciso momento, em qualquer parte do mundo, não haverá certamente um lugar tão aprazível como aquele onde estamos.

Sabem do que falo ou não?

Anonima Nuvolari
P.S.
Se nos confinarmos à música, faz mais pela animação cultural o David Hancock (responsável pela programação do Café Inglês) num fim-de-semana do que a monopolizadora administração local num mês inteiro.
Se alargarmos a observação a todas as outras formas de expressão, digamos que a administração local, num mês inteiro, bate uma quinzena do Café Inglês por uma margem diminuta.

3 comentários:

Manuel Ramos disse...

As fotos deixaram-me um enorme amargo de boca: não ter estado presente.
A minha única desculpa e consolação é ter, entretanto, conseguido convencer um casal daquilo que afirmas na parte final do post...

susecris disse...

Não fazia ideia desse evento! De qualquer forma após 3 dias de folga dedicados à cultura é necessário voltar ao trabalho. Mas a julgar pelas fotos, devem ter sido momentos fantásticos!...
Quanto à parte final do post, restam à(s) comunidade(s)"pequenas consolações" provenientes de gente empreendedora...

António Baeta disse...

Um abração, meus amigos!
Bem gostaria de ter partilhado com vocês uma tarde tão agradável.