quarta-feira, maio 05, 2004

90 anos

Não é todos os dias que um familiar comemora o seu 90º aniversário, tanto mais quanto se trata do nosso último tio.
Estive ausente, por terras do Baixo Tâmega, para o poder abraçar e integrar a festa que lhe promoveram. Foi bom vê-lo assim, lúcido e de aparência saudável.
Também foi bom voltar ao Tâmega e às recordações das férias de verão da minha juventude, e de sempre, pois nunca abandonei esta minha insistência em manter viva a raiz nortenha, que é parte integrante de mim e que senti tão viva na afabilidade das pessoas que me conhecem e me reconhecem, nos odores que perfumam o ar, na presença constante da água, corrente, na paisagem onde o horizonte é a montanha da outra margem do rio, pintada de verde e casario. Ah, e os foguetes, que parece que rebentam sempre que lá estou, como que para me receber.

1 comentário:

hr disse...

Noventa anos,


caminhamos entre o sul


e o norte, adiando o tempo


e antecipando as graças.


>Cumprimentos do helder.