sexta-feira, outubro 29, 2004

Faro 1952

Encerrando o périplo por Poesia 61, num regresso a Faro, 1952, e ao velho Aliança.

Gastão Cruz

        • Faro 1952

          O café, do outro lado a livraria
          essa a meta da tarde
          quando esfria a pele sem que
          frio fique o dia,
          as linguagens regressam às cúpulas
          de folhas
          e os treze nocturnos ainda nos esperam
          sob o inerte
          torreão do fim da infância,
          escutaremos alguns
          no pobre piano íntimo, o sexto
          repetido como alma dos
          dias,
          percorremos a rua
          até onde entra nela a aragem da ria,
          e o café dum lado, do
          outro a livraria,
          à porta o chapéu largo e a barba
          branca
          dum poeta do passado

      Gastão Cruz
      Rua de Portugal, 2002



3 comentários:

Joaquim Baptista disse...

Estou muito contente por ter visitado a minha página e posteriormente eu ter percorrido a sua. As fotos de Idanha-a-Velha são boas. Poderei utilizar alguma delas, com a sua permissão e dizendo a origem? Mais lhe digo que farei ligação (link) para a sua página. Grato :-)

António Baeta disse...

Disponha, meu caro Joaquim Baptista.
Um abraço.

hfm disse...

Este não conhecia e gostei de ler.
Abraço