quinta-feira, janeiro 15, 2004

15 de Janeiro

Todos os dias, um a um, vou lendo Na Barca do Coração (Campo das Letras), um diário de Casimiro de Brito, no ano 2000.

Hoje, 15 de Janeiro, quero partilhar convosco um excerto do seu diário neste mesmo dia, já lá vão 4 anos.

  • Silêncio, não há. Mas quando ouço música estou mais perto.

    O mais profundo que há no vinho, esse húmus da terra mas também da arte do homem, essa busca incessante, torna a vida leve, transparente, quero dizer, levemente obsessiva - o breve ardor do prazer.
    (...)

1 comentário:

Carlos Rocha disse...

ai Monsaraz, Monsaraz ...