sexta-feira, setembro 01, 2006

Um ano depois, o Teatro ainda não foi devolvido à cidade


A 3 de Setembro próximo passará um ano sobre a inauguração oficial do Teatro Mascarenhas Gregório, agora recuperado, mas cujo "espaço ainda não foi devolvido à cidade", no dizer de Aurélio Nuno Cabrita, investigador de História local e regional, em artigo publicado no Barlavento e cujo texto pode ser lido aqui.
O texto recorda a primeira inauguração do teatro, no dia 24 de Julho do ano de 1909.

7 comentários:

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Deixo um beijo e desejo de bom fim de semana.

woman's secret disse...

Nem tudo o que se perde é recuperável...
beijos

António Baeta disse...

Mas este Teatro foi recuperado, inaugurado e fechado logo a seguir, faz agora um ano. Veja em Teatro restaurado

MaD disse...

Recuperaram e inauguraram o teatro e mantêm-no fechado há um ano?!...
Terá que haver um motivo muito forte para justificar tal situação ou teremos que a classificar de inadmissível.
Ficamos a aguardar um esclarecimento de quem de direito...

Vitah disse...

O teatro tem de ser devolvido aos municípes e a todos aqueles que gostam desta nobre arte....

manuel castelo ramos disse...

O esclarecimento, embora não tenha sido dado por quem tinha o dever de o dar (a Presidente), já que se atreveu (bem apropriada a palavra, dadas as condições, como se verá a seguir) a inaugurar o espaço em vésperas de eleições, fica aqui dado pelas palavras de um técnico com responsabilidades na supervisão dos trabalhos por parte da autarquia, tal qual como respondeu por escrito às questões colocadas por um vereador da Oposição a respeito deste assunto: "(...) o Teatro Gregório Mascarenhas pode ser utilizado de forma condicionada tendo em consideração que não dispõe de ligação definitiva de energia eléctrica e necessita de adequação de alguns elementos às alterações propostas pelos projectistas, cumprindo-se os procedimentos seguintes. Deverá ser tido em consideração o tipo de espectáculo e a lotação admitida." (16.06.2006)
Alguém adivinha por que não existe ligação de energia eléctrica definitiva, nem a exigida adequação às propostas dos projectistas?
Vá lá, eu ajudo: começa por D e acaba em S, com 5 letras pelo meio. D.....S
Mas houve dinheiro para alugar um potentíssimo gerador por uma noite que, por pouco, não matou pelo ruído e pela poluição quem nas redondezas vive!!

António Baeta disse...

Obrigado a todos pela vossa sensibilidade e indignação perante um caso tão exemplar da "qualidade" administrativa do executivo camarário.