quinta-feira, setembro 14, 2006

A História de Silves em Medalhas (VI)

  • História de Silves - 5
    Os Muçulmanos

    Ei, Abu Bacre, saúda os meus amigos em Silves e pergunta-lhes se, como penso, ainda se recordam de mim. Saúda o Palácio das Varandas da parte de um donzel que sente perpétua saudade daquele alcácer. Quantas noites passei, deliciosamente junto a um recôncavo do rio com uma donzela cuja pulseira rivalizava com a curva da corrente. O tempo passava e ela servia-me a bebida do seu olhar e outras vezes a do seu copo e outras a da sua boca. As cordas do seu alaúde feridas pelo plectro estremeciam-me como se ouvisse a melodia das espadas nos tendões do peito inimigo. Ao retirar o seu manto, descobriu o talhe, florescente ramo de salgueiro, como se abre o botão para mostrar a flor.

Evocação de Silves, de Al-Mutamide (séc. XI)

3 comentários:

woman's secret disse...

Deixo um beijo à minha passagem por aki.

MaD disse...

De facto, tínhamos (temos) muito que aprender com estes muçulmanos de antigamente, pessoas inteligentes, cultas, sensíveis...

António Baeta disse...

Meu caro MAD, diria como escreveu Fernando Pessoa:
"Expiemos o crime que cometemos, expulsando da Península os Árabes que a civilizaram."