quarta-feira, novembro 17, 2004

Vendéeglobe



O Eurico, de Um pouco mais de Sul, chamava outro dia a atenção para uma regata à volta do mundo, solitária, sem escala e sem assistência, num autêntico desafio à capacidade de resistência humana e à fúria dos elementos.
A curiosidade fez-me dar uma espreitadela ao site oficial da prova e fiquei entusiasmado com o rigor das coordenadas que localizam cada um dos concorrentes, a sua velocidade e direcção, a distância que os separa uns dos outros, as condições meteorológicas que se lhes oferecem, as cartas geográficas, os vídeos, as fotos e até a possibilidade de os contactar por email, assim, tão por dentro, podendo acompanhá-los na viagem, a partir do conforto das nossas casas.

Na noite passada, por volta das 19h00 (hora de Portugal), depois de nove dias de viagem, Norbert Sedlacek, vienense, viajava no seu Brother em latitudes próximas dos 20º N.

www.vendeeglobe.org   www.vendeeglobe.org
No conforto dos seus aposentos.     Em risco de saltar borda fora.

A referência a Norbert Sedlacek resulta do facto de ocupar, à hora a que escrevo, o último lugar da regata. A menos 4º de latitude, junto às ilhas de Cabo Verde, viajava a última das duas mulheres em competição - Anne Liardet, no Roxy. Em primeiro lugar avança Jean Le Cam, no Bonduelle, preparando-se para mudar de hemisfério, pois encontrava-se perto dos 5º de latitude, perseguido de "perto" por outros concorrentes.

Isto, e o mais que quiser saber, se for o caso, encontrará ao clicar no logo da regata Vendéeglobe, a encimar o post.

P.S.
Se visitou o site de Arthur Rimbaud, na passada quarta-feira, saiba que deverá ter hoje lugar a apresentação do 5º Itinerário.


1 comentário:

josé carlos disse...

Oh, meu caro,saberás tu quantos neste momento se preocupam com o moço que ocupa o último lugar da regata?